Quarta-feira, 19 de Julho de 2006

Pureza do interior

É chegada a época das férias escolares. Após conversas persuasivas com Bernardo e Rui, o mais novo dos Sousas aceita passar o fim de semana com os amigos na melhor pousada rústica alentejana. Os planos para novas aventuras estavam a ser geometricamente elaborados no desconhecimento do recatado e pacato João. As malas estavam prontas e partiram rumo ao destino campestre. Quando lá chegados verificam que estavam alojados no mesmo andar que a menina Carolina e amigas; curiosamente, três amigos e igual número de raparigas. Os cumprimentos circustanciais e diálogos triviais seguiram-se até porque todos já eram conhecidos. Bernardo coloca as roupas no quarto juntamente com Rui. Os cochichos iniciaram-se e a excitação pela proximidade de tão jovens e agradáveis companhias transmite-lhes uma ansiedade incontrolável. 

Bernardo teria a idade de João, mas era estupidamente bronco, rico no bolso, mas pobre de juízo, inconsciente e de modos rudimentares; na face morena cresce-lhe uma floresta de pêlos que teima em não retirar para lhe dar um ar de homem maduro, o cabelo estende-se desde a frente à nuca com uma camada gordurosa e pastosa de gel; o fanfarrão do grupo, sedento da glória que os méritos do baixo ventre lhe poderiam conferir. Possivelmente, atrás das compulsivas histórias ou, quem sabe, de sonhos fantasiosos, esconde-se um jovem frustado em potência...

Rui revela uma maturidade mais elevada, é trabalhador e já cria a sua riqueza desde cedo, um homem que se faz a si próprio pela força do trabalho. Como não nasceu num berço de requinte, aprendeu bem cedo que teria um duro caminho a percorrer para conseguir o conforto de bens. A sorte e a audácia contribuiram para que enriquecesse. Todavia, a atitude não era a de novo rico, mas da modéstia que João preza e que o faz ser um exemplo que saudávelmente adoptou para si. Como solteiro procurava uma companhia para construir o lar genuinamente tradicional que pretendia. Quem olha para Rui fica com a convicta sensação de lidar com uma boa pessoa, a confiança segura que transmite e feições arredondadas pouco polidas de bonacheirão simpático tornaram-no um jovem empresário bem sucedido e apetecível das moças da freguesia. 

O jantar servia-se na pousada Rodrigos e todos se preparam para descer à sala de refeições...

tags:
publicado por jaimepedrosa às 20:11
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

.Junho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30

.posts recentes

. ...

. Predestinação

. Uma vida nova...

. Uma vida nova...

. Uma vida nova...

. Uma vida nova...

. Uma vida nova...

. Uma vida nova...

. Uma vida nova...

. Uma vida nova...

.arquivos

. Junho 2009

. Julho 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds